Executivo Celular AgendaOuve-se falar em status; porém, no sentido de ser alguém com abrangente rede de conhecidos. Uma pessoa com bastante status é conhecida na região e exerce certa influência sobre o local onde vive. De acordo com o dicionário de Sociologia, o status é o lugar ou a posição que a pessoa ocupa na estrutura social.

A estrutura social está diretamente relacionada pelo fato das pessoas formarem determinados grupos inseridos em sistemas, em que há relações movidas por uma série de deveres, direitos e privilégios. Ela se refere à colocação e posição dos indivíduos e grupos dentro desse sistema. Os padrões essenciais de relações de obrigação constitui a estrutura social de uma sociedade.

O status social, ainda de acordo com o conceito do dicionário de Sociologia, abrange características da posição que não são determinados por meios legais, ou seja, numa democracia, as posições ocorrem segundo os preceitos constitucionais. E aí, há a diferença do status legal, o qual necessita ter por base a legislação.

Generalizando, status é o mesmo que posição. Nas sociedades antigas, o status social funciona rígida, por meio de castas. Essas, se baseiam em práticas de tratamento de inferioridade e superioridade, tudo depende da casta em que o indivíduo se encontra. Na maioria das vezes, elas são de cunho religioso e apoiadas por lei.

A pessoa com muito status é bem conhecida. Não é tarefa fácil conseguir status social, requer do indivíduo alguns esforços. É preciso ter jogo de cintura e eliminar concorrentes. Nada mais é do que uma competição entre pessoas. Tudo o que tem num indivíduo servirá para influenciar, a pessoas com status elevado deve cuidar bem, afinal, está sendo observada – esse, denomina-se status adquirido.

Na política, há parlamentares com status elevado, os quais têm poder de exercer influência sobre decisões. Existe o status chamado de atribuído. Consiste na independência da capacidade do indivíduo. É aquele status que a pessoa recebe mesmo contra a vontade. Há diferentes tipos de status e eles podem vir segundo boas ou más obras.

Um criminoso, na sociedade, por exemplo, tem uma posição social   baixa; porém, no meio em que vive, com outros de mesma classe, pode ter status elevado devido ao seu sucesso nas faltas cometidas contra a sociedade.

Sistema de Castas

O sistema de castas é oposto, em determinadas partes, ao sistema de classes sociais, formadas pelo capitalismo. As classes sociais podem ser divididas sob vários pontos de vista. Segundo a Sociologia, pode ser da forma econômica ou ocupacional. As castas sociais se divergem do conceito de classes, quando a pessoa tem o direito de mudar de patamar social.

Um indivíduo que era catador de papéis tem a oportunidade de estudar e mudar de classe social. O que pertencia à classe E, agora, seria da classe D, por exemplo. Isso não é permitido nas castas sociais, porque envolve questões de hereditariedade e religião.

Estratificação Social

A estratificação social é a diferenciação de indivíduos e grupos em posições (status), estratos ou camadas, hierarquicamente sobrepostos. Observe que se assemelha ao sistema de castas e também ao sistema de classes sociais. Nesse aspecto, existem algumas vertentes do conceito de estratificação, que são: a econômica, a política e a profissional; e existe a estratificação segundo a renda familiar.

Economicamente, estratificação está baseada na renda ou nas posses de bens materiais que a família possui. São separadas em ricos, pobres e em classe média. Ora, essa é a mesma metodologia imposta, indiretamente, pelo capitalismo.

Na estratificação política, tem-se o fundamento da situação do poder e é dividida em dois grupos: os que têm poder e os que não o possuem. A estratificação profissional é baseada nos graus de importância de cada profissional. Está na valorização de uma e desvalorização de outra. Quando se é criança, os pais desejam que o filho seja doutor. Dificilmente, se verá uma mãe disparando a seguinte frase: “Gostaria tanto que meu filho fosse gari”. Não se ouve por causa da estratificação profissional inserida em nossa sociedade.

O conceito de estratificação social separa em classes e não se pode falar em capitalismo sem citar essa definição. Afinal, ela traduz as sociedades contemporâneas. Ela iniciou com o surgimento do capitalismo, bem como a sociedade de classes e a desigualdade social. Algumas questões, que até se identificam ao preconceito, estão implicadas na estratificação.

Há desigualdades em diversos segmentos da sociedade, tais como a oportunidade de trabalho, na cultura e lazer, no acesso à informação, à educação, nos gêneros: masculino e feminino, em relação às raças e etnias – nos casos de xenofobia – a religião entra na lista, assim como a diferença entre rico e pobre. Até a linguagem, os dialetos de cada lugar se sobressaem: a implicância das pessoas que moram nas metrópoles com os interioranos.

Porém, nisso tudo, encontram-se vantagens. Nas sociedades em que há todos esses problemas, distingue-se pelo fato de existirem as mobilidades sociais. As diferenças acabam quando uma pessoa passa de uma classe a outra. Por exemplo, um pobre que fica rico ou o inverso. Além disso, o que não é possível em sociedades tradicionais, como a mobilidade cultural, nas contemporâneas, existe essa passagem. A mobilidade cultural consiste na mudança de valores, normas e vínculos.